top of page

Revista PEGN - Semana de trabalho de 4 dias: Portugal começa a testar hoje.

Atualizado: 7 de jun. de 2023

Empresas de várias regiões do mundo, principalmente entre nações ricas, testam carga horária semanal reduzida e seu impacto na produtividade



Portugal iniciou hoje um projeto para testar a semana de trabalho de quatro dias em vez da tradicional jornada de cinco, de segunda a sexta. Cerca de 40 empresas farão experiências com seus 1 mil funcionários podendo desfrutar três em vez de duas folgas por semana.

O anúncio foi feito no parlamento português pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Uma parte das companhias já havia antecipado o processo numa primeira fase, mas 55 não quiseram avançar à segunda fase temendo perda de produtividade em um cenário econômico delicado.


Portugal iniciou hoje um projeto para testar a semana de trabalho de quatro dias em vez da tradicional jornada de cinco, de segunda a sexta. Cerca de 40 empresas farão experiências com seus 1 mil funcionários podendo desfrutar três em vez de duas folgas por semana.


O anúncio foi feito no parlamento português pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. Uma parte das companhias já havia antecipado o processo numa primeira fase, mas 55 não quiseram avançar à segunda fase temendo perda de produtividade em um cenário econômico delicado.


Mas Portugal não é o único país a testar essa ideia. Empresas de todo o mundo estão experimentando essa novidade em busca de maior satisfação (e produtividade) para seus funcionários e também usam essa ideia como um benefício para atrair talentos. Os primeiros resultados são positivos.


É crescente o número de empresas que experimentam jornadas semanais de 32 horas, em quatro dias da semana, no lugar da tradicional de 40 horas, cinco vezes por semana. A organização 4 Day Week Global, que defende a semana mais curta, incentiva experimentos em vários países. Veja a seguir alguns deles.


Brasil

O Brasil será palco de um experimento sobre o impacto da jornada de trabalho semanal de quatro dias, que acontecerá entre junho e dezembro de 2023. A iniciativa é fruto de uma parceria entre ONG 4 Day Week, que conduz testes globais sobre a carga horária reduzida, e a brasileira Reconnect Happiness at Work.

Em junho e julho, a Reconnect vai oferecer informações sobre o programa para qualquer empresa que demonstrar interesse em participar no Brasil. Não há pré-requisitos, como número mínimo de funcionários. Basta responder a um formulário disponível no site www.4dayweekbrazil.com para ter acesso à mentoria.


No Brasil, mais de 72% dos profissionais que trabalham em escritórios consideram que seriam mais produtivos se tivessem uma semana de quatro dias úteis em vez de cinco. É o que aponta a pesquisa “Para além da revolução do híbrido: o paradoxo do trabalho flexível na América Latina”, feita com profissionais de vários faixas etárias e níveis hierárquicos na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica e México.


Reino Unido

Desde o ano passado empresas britânicas testam a semana profissional de quatro dias. Em alguns casos, as companhias apenas reduziram a jornada semanal de 40 para 32 horas, pedindo que os funcionários distribuíssem essas 32 horas em cinco dias.


Em fevereiro deste ano, um estudo conduzido pela empresa de pesquisa Autonomy com 61 empresas na Grã-Bretanha revelou que 56 companhias (92% do total) optaram por continuar com a jornada reduzida, das quais 18 de forma permanente.


O teste realizado na Inglaterra foi considerado o maior do mundo entre as experiências de semanas de quatro dias, as pessoas trabalharam em média 34 horas por semana, entre junho e dezembro do ano passado. Durante esse período, os salários não tiveram alteração.


Na Escócia e no País de Gales, que também integram o Reino Unido, foi iniciado um debate sobre o assunto. A decisão foi o resultado de uma promessa de campanha feita pelo Partido Nacional Escocês (SNP).


Os trabalhadores terão suas horas reduzidas em 20%, mas não sofrerão nenhuma perda na indenização. O SNP apoiará as empresas participantes com cerca de £ 10 milhões (€ 11,8 milhões).


Pesquisa realizada pelo instituto de pesquisa escocês Institute for Public Policy Research (IPPR), na Escócia, mostrou que 80% das pessoas que responderam à ideia foram altamente positivas em relação à iniciativa. Os entrevistados disseram que o programa melhoraria muito sua saúde e felicidade.


Islândia

Antes do Reino Unido, a Islândia havia conduzido o maior piloto de uma semana de trabalho mais curta entre 2015 e 2019, com a participação de 2.500 servidores públicos em dois grandes testes, segundo a CNN Business.


Os testes revelaram que não foi registrada queda na produtividade e houve um aumento no bem-estar dos funcionários.


Bélgica

Em fevereiro, os funcionários belgas ganharam o direito de decidir se trabalham quatro ou cinco dias por semana, sem perda de salário. Isso, no entanto, não significa que trabalharão menos – eles simplesmente condensarão o total de suas horas de trabalho em menos dias.


O primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, espera que o acordo ajude a flexibilizar o mercado de trabalho notoriamente rígido da Bélgica e a criar uma economia mais dinâmica, além de tornar mais fácil para as pessoas conciliarem suas vidas pessoais com suas carreiras.


Espanha

O partido de esquerda Más País anunciou no início deste ano que o governo concordou com seu pedido de lançar um programa piloto de semana de trabalho de quatro dias para empresas interessadas na ideia.


Cerca de 6.000 funcionários de 200 pequenas e médias empresas poderão estender seu final de semana em um dia, com remuneração integral. As negociações já foram realizadas, com a próxima reunião prevista para as próximas semanas. A fase de testes deve durar pelo menos um ano, mas ainda não está claro quando a experiência começará de fato.



Suécia

Na Suécia, uma semana de trabalho de quatro dias com pagamento integral foi testada em 2015 com resultados mistos. A proposta era tentar jornadas de seis horas em vez de oito horas sem perda de pagamento, mas nem todos ficaram satisfeitos com a ideia. Até os partidos de esquerda achavam que seria muito caro implementar a experiência em larga escala.


Mas resultados positivos foram observados na unidade de ortopedia de um hospital universitário, que transferiu 80 enfermeiros e médicos para uma jornada de seis horas e contratou novos funcionários para compensar o tempo perdido. A resposta da equipe médica foi positiva, mas o experimento também enfrentou muitas críticas e não foi renovado.


No entanto, algumas empresas, como a montadora Toyota, optaram por manter o horário reduzido para seus trabalhadores.


Japão

No Japão, assim como em outros países, são as grandes empresas que estão se aventurando nesse território, após o anúncio do governo japonês, em 2021, de um plano para alcançar um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal em todo o país.


Um exemplo é a gigante de tecnologia Microsoft que, em 2019, experimentou o modelo oferecendo aos funcionários no Japão fins de semana de três dias por um mês. A mudança aumentou a produtividade em 40% e resultou em um trabalho mais eficiente.


Nova Zelândia

Na Nova Zelândia, 81 funcionários que trabalham para a Unilever estão atualmente participando de um teste de uma semana de trabalho de quatro dias com pagamento integral, que terá duração de um ano. Se o experimento for um sucesso, ele será estendido a outros países.


De acordo com Nick Bangs, diretor administrativo da Unilever Nova Zelândia, o objetivo do programa é medir o desempenho na produção, não no tempo.

"Acreditamos que as antigas formas de trabalho estão desatualizadas e não mais adequadas ao propósito", acrescentou Bangs.


17 visualizações

Comentarios


bottom of page