top of page

Folha de São Paulo - Na onda ESG, empresas criam cargos de diretor de felicidade e líder do amor

Atualizado: 11 de ago. de 2023

Cursos oferecem aulas para formação dos profissionais e de consultores, mas especialista alerta para 'happywashing'



À sopa de letrinhas dos cargos corporativos, bem conhecida no meio executivo, empresas adicionam agora uma nova sigla: CHO (Chief Happiness Officer) –diretor de felicidade, na tradução do inglês. O profissional é responsável, sobretudo, por elaborar ações voltadas para a saúde mental e o bem-estar dos funcionários da companhia.


No Grupo Heineken, a diretoria foi anunciada em maio deste ano, depois de uma série de discussões, desencadeada durante a pandemia, sobre a saúde mental dos colaboradores. Dentro de toda a companhia, a Heineken brasileira é a única que implementou o cargo até o momento, segundo a CHO da marca, Lívia Azevedo.


Ela afirma que, entre as principais ações, está a formação de embaixadores da felicidade –funcionários de diferentes cargos e áreas que se oferecem para receber treinamentos sobre a ciência da felicidade. Durante a capacitação, os voluntários participam de dinâmicas sobre emoções e relacionamentos positivos, além de receber conhecimento teórico, para que influenciem e atuem junto às lideranças locais.


"Nós temos 30 centros de distribuição no Brasil e 15 fábricas. É uma capilaridade muito grande. Para que a nossa jornada chegue nessas localidades, nossa estratégia foi formar esses embaixadores para que eles possam distribuir as ações que nós desenhamos aqui", diz Azevedo.


A Heineken afirma fazer, a cada 15 dias, uma pesquisa confidencial para medir o nível de satisfação de seus funcionários com o ambiente de trabalho e também com suas vidas pessoais. A liderança tem acesso aos resultados e, depois de coletá-los, analisa as respostas e conversa com as equipes.

Outra marca que passou a ter um CHO no seu quadro de líderes em maio, a Chilli Beans contratou primeiro um consultor de felicidade corporativa para elaborar um plano para a empresa. Vinicius Kitahara, fundador da consultoria Vinning, que presta serviços para a Chilli Beans, conta que começou a estudar a ciência da felicidade com amigos, mas, depois de se aprofundar no tema em um curso de Harvard, passou a atender também empresas em 2016.

Primeiro vieram os pequenos e médios negócios, mas, com a chegada da pandemia, a procura pela consultoria de felicidade explodiu e vem ganhando cada vez mais força, diz.


"A gente fez trabalhos pontuais, vários workshops, e, neste ano, começou uma onda muito grande com relação a esse movimento. Quando a Heineken criou uma diretoria de felicidade foi um divisor de águas. Daqui a cinco ou dez anos haverá vários lugares com esses cargos", afirma Kitahara.


Segundo Denize Savi, CHO da Chilli Beans, a companhia passou a realizar encontros semanais e presenciais com funcionários do escritório central, em Barueri (SP).


Com duração de duas horas, a reunião é presencial e serve para que os colaboradores expressem seus sentimentos em relação ao trabalho e suas vidas pessoais por meio de dinâmicas e conversas.


O perfil dos alunos nem sempre é o mesmo, diz Renata Rivetti, fundadora do Reconnect. Às vezes, é um profissional do setor de recursos humanos, um líder de outras áreas, como marketing e jurídico, e até consultores, que querem elaborar um plano de felicidade para companhias.


Também há uma certificação in company, com uma turma de 10 a 20 funcionários da empresa e com aulas voltadas para a realidade daquela companhia.

45 visualizações

Comments


bottom of page